23 de fevereiro de 2016 Tópicos: Debates Públicos, Notícias

II Fórum de Cidades Digitais debate o Marco Civil da Internet

O encontro busca estimular investimentos nas áreas de tecnologias da informação e comunicação, promovendo o desenvolvimento sócio econômico dos municípios.

Na próxima quinta-feira, dia 25, acontece em Pato Branco, o II Fórum de Cidades Digitais do Sudoeste. O encontro, que busca estimular investimentos nas áreas de tecnologias da informação e comunicação, promovendo o desenvolvimento sócio econômico dos municípios, terá diversas palestras. Entre elas, uma sobre o Marco Civil da Internet, que abordará alguns itens que integram a nova lei, a neutralidade da rede e questões que interferem diretamente no poder público. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo forum.redecidadedigital.com.br/patobranco.

Para o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Géri Natalino Dutra, a discussão é importante e atual. “O Marco Civil da Internet é interessante porque muitas pessoas e entidades não sabem as reais implicações do efetivo uso da Internet. É o momento de entender e adotar políticas previstas na nova lei”, ressalta Géri.

O evento terá a participação do assessor da Secretaria de Assuntos Legislativo do Ministério da Justiça, Marcelo Chilvarquer, para falar sobre os principais itens da proposta e a importância do uso da internet para participação social na construção de políticas públicas nos municípios.

Atualmente, uma minuta de decreto para regulamentação do Marco Civil da Internet está sob consulta pública pelo site marcocivil.mj.gov.br até o dia 29 de fevereiro. Chilvarquer lembra que a lei congrega diretrizes sobre neutralidade da rede, segurança, privacidade e transparência.

Além de esclarecer dúvidas sobre as novas regras a serem implementadas no país, o assessor do Ministério da Justiça explica que pretende destacar experiências bem sucedidas de aproximação entre governo e cidadão e as atribuições do poder público contidas no Marco Civil da Internet relacionadas, por exemplo, a governos eletrônicos e transparência nos municípios.

“Para o Ministério da Justiça é uma oportunidade ímpar de ter contato com os gestores e ver de perto o que os municípios estão fazendo em termos de inovação. A ideia é apresentar também o modelo da participação social do Marco Civil e o que isso pode agregar no debate municipal”, ressaltou ele sobre a plataforma desenvolvida em código aberto e disponível para adaptações nos mais diversos setores da administração pública.

22298904532_f9309b38aa_z

Marcelo Chilvarquer e a professora e pesquisadora da Stanford University, Barbara van Schewick

Segundo José Marinho, diretor da Rede Cidade Digital (RCD), que promove o evento em parceria com a Prefeitura de Pato Branco e com a Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop), a inclusão deste tema na programação é de suma importância para levar informações e conhecimentos a respeito do uso Internet tanto pelo poder público quanto por todas as pessoas que acessam a rede mundial. “O país vai ter uma regulamentação, proximamente, e o fórum de Pato Branco possibilitará que o assunto chegue ao maior número de localidades, não ficando restrito a discussões em capitais e grandes centros, o que costuma acontecer”, comenta Marinho.

Fonte: Assessoria Prefeitura Pato Branco

Confira os vídeos do Seminário de Neutralidade de Rede com a professora e pesquisadora Barbara Van Schewick

Participe do debate!

Vídeo sugerido

Conheça o projeto Pensando o Direito

O Projeto Pensando o Direito é uma iniciativa da Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça e Cidadania, e foi criado em 2007 para promover a democratização do processo de elaboração legislativa no Brasil. Pesquisas A partir do lançamento de editais para a contratação de equipes de pesquisa, o Projeto mobiliza setores importantes da […]

Pensando o Direito no youtube

8 comentários em “Conheça o projeto Pensando o Direito”

  1. Joseane Rocha disse:
    Quando haverá outra edição do evento?
    Os temas abordados na edição anterior foram muito estimulantes para o investimento em tecnologia da informação e comunicação.
    Joseane Rocha,
    http://www.educamundo.com.br
  2. duda disse:
    Adorei gostaria muito de participar
    De projeto
  3. Thelma Regina da Costa Nunes disse:
    Adorei,gostaria muito de participar desse participar desse projeto.
  4. Maria Sueli Rodrigues de Sousa disse:
    A página do ipea não abre desde ontem que tento. Vcs sabem informar o que está ocorrendo?
    1. Pensando o Direito disse:
      Olá, a página está com um problema técnico. Iremos prorrogar as inscrições.
  5. Antônio Menezes Júnior disse:
    Pesquisa super relevante, muito bem estruturada e indica conclusões interessantes, algumas já conhecidas no cotidiano de muitos que trabalham no ramo, e a algumas questões ainda pouco decifradas. Tive o privilégio de conhecer ao vivo, um conjunto de exposições dos próprios autores, meses atrás. Um extraordinário trabalho e produção de conhecimento. Atrevo-me apenas a sugerir que a pergunta inicial seja diferente da atual, para o futuro, e para reflexão. A pergunta inicial enseja uma relação direta entre alcances de um processo de regularização e os instrumentos jurídico-urbanísticos disponíveis, mas e as pessoas, e o conhecimento em torno deles ??? É sabido que os instrumentos em si não são autônomos, precisam ser conhecidos, discutidos, e sua implementação precisa ser ajustada a cada realidade. Portanto, melhor que a pergunta sugira o que é preciso para os instrumentos jurídico-urbanísticos tenham efetividade na realidade dos municípios.
  6. Roberto disse:
    Esse tipo de evento é realmente muito importante. alem de ser contra a corrupção, promove o desenvolvimento de idéias inovadoras.
    Aguardando pelo próximo evento

    Roberto
    http://metodologiaagil.com

  7. Humberto disse:
    Ótima atitude!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *