Pauta em discussão

Prazo encerrado

Velocidades distintas de download e upload?

Discussão criada por Fabiano Lucchese em 28/01/15

Tema: Neutralidade

Ainda que não seja um ponto diretamente endereçado pelo Marco Civil, entendo que a disponibilização de acesso à Internet com diferentes velocidades de upload e download acaba por discriminar o tipo de serviço que se espera a que o usuário tenha acesso. Navegar na Internet consome mais “banda” de download, mas utilizar serviços de streaming ou VoIP tipicamente requer melhores taxas de upload. A questão já foi discutida e vem sendo endereçada (sem muito sucesso, diga-se de pasagem) pela Anatel, mas, novamente, poderia também fazer parte do debate sobre neutralidade na rede.

Discussão sobre a pauta

  1. Opinião
    Cabe ao mercado (empresários e consumidores) decidir isso e não ao governo. Não é o governo quem investe no negócio. Ao governo compete fiscalizar e garantir que os contratos sejam cumpridos.
    4 concordaram
    10 discordaram

    • Opinião
      Acho que você está confundindo “governo” com o Estado. O papel do Estado é exatamente regular, inclusive o mercado, em especial para direcionar soluções que não podem ser alcançadas pela simples dinâmica de oferta e demanda. Se todas as empresas oferecerem pacotes com upload mais lento que download, não haverá possibilidade de os consumidores optarem de verdade.
      10 concordaram

  2. Opinião
    Entendo por neutralidade a não alteração do conteúdo. É a prestadora de serviço fornecer acesso à internet sem ter conhecimento do que o cliente faz nela e sem manipulação do conteúdo. Já pensou uma empresa com a seguinte mensagem: Esse site não faz parte do seu pacote de dados! Download e upload, ao meu ver, é uma questão contratual.
    5 concordaram
    2 discordaram

  3. Opinião
    Para uso doméstico e de forma satisfatória não é necessário que up e down sejam iguais. Para uso doméstico eu acredito que por exemplo, uma conexão de 10 Mbps de download se tiver no mínimo 2 Mbps garantido vai funcionar muito bem. mas quanto maior, melhor! Para clientes corporativos a discussão é diferente de acordo com a necessidade de cada empresa, plano contratado, etc. O mais importante nesta discussão é que as operadoras RESPEITEM a velocidade contratada e entregue um serviço de alta qualidade independente do horário e do conteúdo trafegado, coisa muito rara no Brasil, as teles não estão respeitando isso e é uma afronta ao consumidor o que fazem com a nossa internet hoje.
    6 concordaram
    3 discordaram

    • Opinião
      Ou seja, então você defende a existência de pacotes domésticos e empresariais com características distintas? Isso sim parece violar o princípio da neutralidade.
      4 concordaram

    • Opinião
      Mesmo que não use o cidadão tem que ter banda de upload disponível para se expressar na mesma velocidade com que recebe o produto da expressão do outro.
      A questão é que ha história da banda larga, nunca antes houve disponibilidade de upload em velocidade igual ao download. A limitação de banda fere a liberdade de expressão pois um usuário não pode, por exemplo, disponibilzar sua rádio online para muitos usuários obrigando-o a contratar outro serviço para tal.
  4. Opinião
    A assimetria de download e upload tem raiz no comportamento da maioria dos usuários, que faz muito mais down do que upload. Isso é assim há bastante tempo, o que acabou por gerar uma série de protocolos de comunicação que tem essa assimetria no próprio projeto, e mudar não é tão simples.
    No caso do 2G/3G/4G, são protocolos desenvolvidos para terem upload menor que download. No caso do ADSL, também há essa assimetria no projeto.
    Pensem no custo total da banda (down+up) que você está contratando. Como você a dividiria, se cada Mbps, seja up ou down, custasse dinheiro? A maioria dos usuários é beneficiado pela assimetria, e repartiria essa banda mais ou menos na proporção que as teles repartem.
    Obviamente há alguns exageros, que acho que a ANATEL teria condições plenas de estabelecer um percentual mínimo razoavel de upload.
    9 concordaram
    3 discordaram

    • Opinião
      Uma coisa é meu uso determinar meu padrão de consumo. Outra bem diferente é a operadora ou a empresa de acesso pré-limitar velocidades em contrato, sem nem saber como vou utilizar o serviço. Essa suposição, que em nada depende de características de projeto dos protocolos, se destina a limitar o uso a navegação e outras atividades mais comuns de usuários residenciais. Procura impedir, por exemplo, que o usuário disponibilize um servidor web em sua casa. Ao limitar o tipo de serviço permitido no pacote, está violando o princípio da neutralidade.
      4 concordaram

      • Opinião
        E da liberdade de expressão também.
    • Opinião
      VHDSL não tem assimetria de banda em seu projeto. DOCSIS e fibra óptica também não.
    • Opinião
      VDSL2 e DOCSIS não têm diferanças tão grandes que exijam taxas de download/upload de 10:1. VDSL já é simétrico para 100 Mbit/s e o DOCSIS 3.0 já está sendo modelado para atender à crescente demanda por banda simétrica.
    • Opinião
      Essa assimetria é, na verdade, uma violação do princípio da neutralidade e da liberdade de expressão.
      Receber numa velocidade maior do que transmite causa uma assimetria também na comunicação, o que joga o usuário numa condição de “espectador” e não de agente da rede. É uma mimetização da assimetria do broadcasting tradicional.
      O MCI estabelece em seus pricípios “garantia da liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento, nos termos da Constituição Federal”. Ter banda suficiente apenas para poder “trocar de canal” vai contra esse princípio.
      Vivemos e Era da Web 2.0, onde o usuário é também agente e produtor de conheciemnto e conteúdo. A assimetria de velocidades é um impecílio a essa manifestação que as empresas não têm pois um caríssimo link dedicado é simétrico e garante total velocidade de expressão. No tempo que um usuário posta um vídeo fazendo uma reclamação empresas podem podem colcar 100, 200 ou 1000 vídeos de réplicas ao mesmo tempo.
      2 concordaram

      • Opinião
        Concordo totalmente que a questão tem profundos impactos na liberdade de expressão. É exatamente isso. Você coloca o usuário de internet como receptor de mensagens e não como emissor – ou um emissor com muita paciência, nas melhores das hipóteses. Isso implica em uma assimetria no fluxo comunicacional. Inclusive, quem tem melhores taxas de uploads tende a emitir mais conteúdos, reforçando a espiral do silêncio.
  5. Opinião
    Como colocado pelo Maciel, a assimetria (Diferença de medidas) entre upload e download se deve mais às tecnologias. O que ocorre é que devido ao tipo de tecnologia envolvida na transmissão, sempre haverá assimetria devido a estes detalhes técnicos.

    Tentando uma analogia, e se eu estiver errado podem me corrigir (com gentileza), imagine uma rua de três faixas. A rua foi feita para ter três faixas, não duas faixas ou quatro. Tal rua pode comportar um tráfego maior para um sentido ou para o outro, dependendo de como é sinalizado.

    Por não entender profundamente disto, não posso argumentar com mais afinco. Porém, noto que isso não fere neutralidade, que como dito por outro, tem mais a haver com o tratamento de conteúdo de pacote do que com adoção de tecnologias, esta última é mais voltada ao mercado ou usuários, do que a uma legislação, esta que deve servir apenas para parâmetros de controle, limitações, e principalmente, evitar conflitos e problemas. :)

    Por se entender que normalmente um usuário comum até tempos atuais fazer mais uso de downloads do que uploads, porém com novas tecnologias de software, como mensageiros de voz e vídeo, além dos serviços de servidor pessoal ou localizado, a necessidade de uploads é tão grande quanto.

    Isso no final acaba mais se focando nas tecnologias de comunicação e suas melhorias. Em tempos, notemos que algumas operadoras tem mudado os padrões de comunicação de sistemas assincrônicos (como ADSL) para sistemas sincrônicos (como fibra óptica).

    4 concordaram
    1 discordou

    • Opinião
      Ambos estão equivocados. Não há absolutamente nada no projeto dos protocolos IP, TCP e UDP que implique em assimetria de velocidades, até porque, sob a perspectiva do protocolo, não há o conceito de upload e download. Essa assimetria só existe na conexão final com usuários residenciais.
      2 concordaram

      • Opinião
        Sim, ao mesmo tempo uma violação da neutralidade e da liberdade de expressão.
        1 concordou

  6. TV Aberta + Merchant = Peculato
    Opinião
    Sempre achei que UPLOAD lento e IP DINÂMICO, fossem para impedir o usuário comum de ser provedor de conteúdo. Assim esse usuário comum seria obrigado a contratar uma empresa para por exemplo:

    1. Fazer vídeo conferência
    2. Fazer comunicação por voz
    3. Manter sua própria página online
    4. Manter seu próprio blog
    5. Manter um jornalzinho do bairro
    6. Manter um canal de “TV online”
    7. etc

    CLICHÊ: A tecnologia do homem o leva a lua e a outros planetas, permite prever chuvas e tempestades, prever terremotos, mapear a vida (DNA). Mas não permite criar uma internet dinâmica?

    Se você acessa um vídeo: Download = 100%, Upload = 0%
    Se você Envia um vídeo: Download = 0%, Upload = 100%
    Se você faz os dois: Download = 50%, Upload = 50% ou, o máximo programado por você em seu modem

    Porque upload travado em valores baixos?

    2 concordaram

    • Opinião
      Você tem toda a razão. A intenção é que os usuários “assistam” Internet, sem produzir nem agir.
      Já leu seu contrato de adesão? Deve ter lindas pérolas nele também:

      2.12. É vedado ao ASSINANTE disponibilizar, através do SERVIÇO OI VELOX, servidores de e-mail (SMTP), FTP (Protocolo de Transferência de Arquivo), rede privativa virtual (VPN – Virtual Private Network), http, TELNET, servidores de rede ponto-a-ponto e quaisquer outras conexões entrantes.

      2.15. O SERVIÇO OI VELOX não suporta conexões TCP (Transmission Control Protocol) e UDP (User Datagram Protocol) entrantes, impossibilitando seu uso para a disponibilização de servidores.

  7. Opinião
    pauta duplicada. tanto a operadora de internet quanto ao usuário deve ser livre para contratar um serviço e a telecom deve ser obrigada a informar quais serviços fará “traffic shapping” (limitação de banda por serviço ou site) ou quais serviços são gratuitos.

    A honestidade deve ser mantida. O excesso de regras para disponibilizadores de conteúdo é errado.

    3 discordaram

    • Opinião
      Se a pauta está duplicada, ajuda botar o link para a original.

      Note que “traffic shapping” (limitação de banda por serviço ou site)” é exatamente o que não deve ser feito de acordo com o texto base (que pode ser acessado no link logo abaixo do botão de “Publicar comentário”. A discussão deveria ser sobre quando pode haver uma exceção a essa regra. E ainda assim, deve estar dentro de um dos seguintes motivos:
      I – requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações; e
      II – priorização de serviços de emergência.

      2 concordaram

    • Opinião
      Esta foi uma das primeiras pautas a ser cadastrada no site. Se há duplicação, favor notificar as demais.

      O raciocínio que defende é o mesmo que levou o mercado de TV paga a ser o que é. Bom sorte na sua ingênua esperança de honestidade.

      2 concordaram

  8. TV Aberta + Merchant = Peculato
    Opinião
    O voto de TV Aberta + Merchant = Peculato foi registrado no sistema